Um lápis e um bloco foram a primeira ‘máquina’ de fotógrafo de Paredes que ganhou prémio europeu

Paulo Pinto desenvolveu a paixão pela fotografia quando ainda era criança. Tem loja em Vilela

0

“O mais importante em vencer um concurso é, sem dúvida, a aprendizagem”, mas, além de ter aprendido muito, Paulo Pinto, fotógrafo de Paredes, trouxe de Roma o segundo lugar, na categoria casamento, do prémio da Federação Europeia de Fotógrafos Profissionais (FEP), uma organização que qualifica fotógrafos desde 1999.

Agora, e depois de ter conquistado esta distinção, a próxima meta de Paulo Pinto passa por continuar a trabalhar na sua área, em Portugal, e, ainda subir ao pódio do ‘World Photographic Cup’.

O Verdadeiro Olhar foi conhecer melhor este fotógrafo instalado na freguesia de Vilela, em Paredes. De poucas palavras, mas de gigantes ‘disparos’, Paulo Pinto revelou que o que sente em relação à sua actividade profissional se resume a “paixão”. E foi quando ainda era criança que esse amor começou. Como gosta de dizer, a sua primeira máquina fotográfica “foi um lápis”. “Adorava desenhar e andava sempre com um lápis e um bloco atrás”. E era assim que contava no papel as viagens que os seus olhos faziam.

Hoje, olhando para trás e fazendo uma análise ao seu percurso profissional, o paredense acredita que “todas as pessoas nascem com um propósito”, sendo que o seu estava escrito no mundo da fotografia.

Fotografia que venceu o segundo lugar do prémio da Federação Europeia de Fotógrafos Profissionais (FEP).

E foi nessa área que começou a trabalhar por conta de outrem. Mas, há cerca de 30 anos, começou a pensar em fazer o seu “próprio caminho”. Assim pensou e assim fez. E foi nessa altura que abriu a sua empresa de fotografia, onde trabalha até hoje, juntamente com a mulher.

Especialista em fotografia social, conseguiu neste concurso europeu o segundo lugar, num universo de 2600 fotografias, tendo ainda arrecadado um galardão de mérito em mais seis. Paulo Pinto imprime muita “criatividade em todos os trabalhos”, aliás, uma característica que se depreende quando se visita o site www.pintart.pt, onde os trabalhos denotam, além da criatividade, uma luz que intensifica os pormenores.

Mas além desta vertente, o fotógrafo faz todo o tipo de fotografias que vão desde “retratos, estúdio, publicitária e comercial”, entre outras. No mundo actual, Paulo Pinto refere que exercer esta profissão “é difícil, porque toda a gente fotografa”, até porque a câmara no telemóvel se banalizou. Mas “uma coisa é ser um bom fotógrafo outra coisa é ser um fotógrafo bom”, aponta. E, em Portugal, “há muito bons fotógrafos”, com trabalhos reconhecidos “a nível nacional e internacional”, refere o profissional ao sublinhar que o que conta no resultado final de uma imagem “não passa apenas pela captura do momento, mas na composição, na iluminação, na expressividade” e, também, no “impacto” que causa.

Uma das fotografias de Paulo Pinto com distinção de ´mérito’ no concurso europeu

A empresa de Paulo Pinto, a ‘Pint´art estar localizada numa freguesia de Paredes, um pouco afastada de grandes centros, o fotógrafo não tem deixado de crescer devido a essa situação geográfica, porque, hoje em dia, “as redes sociais são a melhor montra, porque facilmente chegamos a todas as pessoas e a todo o lado”. E uma das apostas para dar a conhecer o seu trabalho “são as redes sociais”, onde se percebe “todo o trabalho que é feito” por este fotógrafo premiado.

Apesar deste prémio e de não lhe faltar trabalho, o fotógrafo reconhece que “os últimos dois anos não foram nada fáceis”, tendo em conta que os casamentos e todos os evento sociais foram cancelados”. Mas “tudo está a voltar ao normal”, tanto mais que “o trabalho é fruto do nosso percurso e de tudo aquilo que vamos fazendo. Está tudo à distância de um click”, considera, avançando que depois disso, “vem o reconhecimento”.

Paulo Pinto tem 51 anos e nunca imaginou “que iria chegar tão longe”, mas parece que ainda não chegou ao topo. Esse ainda está para vir. O fotógrafo vai continuar a transportar realidades para o papel e a seduzir quem o ‘lê’ ou quem o ‘vê’, porque a fotografia “é sedução, é beleza, é cor e luz”, onde a as linguagens se misturam.

Chegar ao pódio do ‘world photographic cup’ é então uma das metas que pretende atingir. Até lá, vai continuar a possibilitar viagens a momentos únicos, a aproximar pessoas e a registar sonhos tornados em realidade. Porque uma fotografia pode dar-nos asas ao representar mil momentos e outros tantos sentimentos.

A receber o prémio

Deixe o seu comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here