Foto: Câmara de Valongo

Foram dois anos sem se cumprir a tradição da Bugiada e Mouriscada, ponto alto das Festas de São João em Sobrado, Valongo. Também por isso, este ano são esperadas milhares de pessoas.

Nas ruas, a dar corpo à festa, estarão, neste dia 24 de Junho, gentes da terra que recriarão, mais uma vez, a luta entre Bugios e Mourisqueiros, Cristãos e Mouros, pela posse da imagem de São João Baptista. Uns são liderados pelo Velho da Bugiada, os Bugios, que “são o bizarro da festa pelas suas cores, saltos acrobáticos, pelos trajes e pelas máscaras” e cujo exército não tem limites e possa ser integrado por pessoas da freguesia “dos oito aos 80”. Já os Mourisqueiros, jovens de vestes garridas, que têm de ser solteiros por tradição, constituem um exército de (cerca de) 40 homens comandado pelo Reimoeiro.

“Euforia e fome de festa”

As últimas semanas têm sido dedicadas a ensaiar um ritual que se repete ano após anos. E, se há certezas sobre quantos serão os Mouriqueiros nas ruas, o de Bugios é sempre uma incógnita, reconhece Nuno Ferreira, da Associação São João de Sobrado.

Ensaio dos Mourisqueiros (Foto: DR)

“A expectativa é que haja mais participantes, especialmente Bugios, já que têm havido um maior afluxo para compra a aluguer das fardas e também procura por restauro das já existentes”, explica. A estimativa está entre os 600 e 700 Bugios a que se juntam “17 pares” de Mourisqueiros.

“Há uma euforia, uma fome de festa e muita ansiedade” confirma Nuno Ferreira.

Já nos visitantes, até pela divulgação que tem sido feita, nota-se cada vez mais curiosidade e interesse. “Acreditamos que pode haver mais gente a assistir. Normalmente temos cerca de 30 mil visitantes, sendo que o número vai variando ao longo do dia”, adianta.

Os pontos altos são a Dança de Entrada, cujo horário aproximado é entre as 12h30 e as 14h00, e a Prisão do Velho, a partir das 19h30 (também aproximadamente). De manhã há missa com sermão e procissão que será comandada pelos Mourisqueiros que carregam todos os andores dos santos.

Em curso está uma candidatura desta tradição a Património Imaterial da Humanidade. Este ano, a novidade é estar disponível merchandising alusivo à festa, mais uma aposta na divulgação da Bugiada e Mouriscada.

Ensaio dos Bugios (Foto: DR)

A imagem milagreira

«Certo dia, a filha do Reimoeiro, adoeceu gravemente e não existia nenhuma cura para a sua enfermidade. O seu pai recorreu a todos os sábios e curandeiros em busca de uma solução, mas sem sucesso. Sentindo-se impotente por nada conseguir fazer, ficou impaciente. Então, ouviu falar que os Bugios, povo vizinho que vivia em Sobrado, venerava uma imagem de São João Batista e que esta era famosa pelos seus milagres, inclusive pela salvação de uma enfermidade que a própria filha do Velho da Bugiada havia sofrido. Em desespero de causa, pediu aos Bugios o empréstimo da imagem para interceder pela cura de sua filha. Os Bugios, solidários com o Reimoeiro, emprestaram a imagem e São João operou mais um milagre. A menina estava curada, para felicidade de seu pai. Em gesto de agradecimento pela graça recebida, o Reimoeiro organiza um festim, mas recusa-se a devolver a imagem aos Bugios. Mas a ingratidão do Reimoeiro vai mais longe, no banquete por ele oferecido, em jeito de afronta oferece os restos do repasto aos Bugios, estes ripostam de igual forma. O ”caldo” estava entornado.»

Conheça toda a lenda aqui.

Foto: Câmara de Valongo

Deixe o seu comentário

Please enter your comment!
Please enter your name here